« Voltar ao Índice do Glossário

O que é álcool?

Um líquido que é ou contém etanol ou álcool etílico produzido pela fermentação de açúcares. O álcool atua como um depressor do sistema nervoso central, produzindo sensações de relaxamento e prazer, inibições reduzidas, deficiência motora, perda de memória, fala arrastada e, além disso, em altas doses, pode causar problemas respiratórios, coma ou morte. O consumo de álcool também está ligado ao aumento do risco de acidentes (por exemplo, acidentes de carro), comportamento sexual de risco, comportamento violento, suicídio e homicídio. Também conhecido como suco, o material duro, molho, espuma ou, mais frequentemente, por variedade ou nome de marca.

As consequências para a saúde a longo prazo incluem: comprometimento neurológico, doença hepática, doença pancreática, câncer (boca, esôfago, garganta, fígado, mama), pressão alta, acidente vascular cerebral, problemas cardíacos, sistema imunológico enfraquecido, encepalopatia de Wernicke , síndrome de Wernicke-Korsakoff , e síndrome alcoólica fetal (em filhos de usuárias).

Na terminologia química, os álcoois constituem um numeroso grupo de compostos orgânicos derivados de hidrocarbonetos
que contém um ou mais grupos hidroxila (-OH). O etanol (ou álcool etílico, C2H5OH) é um dos membros dessa classe de compostos, e é o principal ingrediente psicoativo das bebidas alcoólicas. Por extensão, o termo “álcool” também é usado para referir-se a bebidas alcoólicas. O etanol resulta da fermentação de açúcar produzida por lêvedos. Em condições normais, as bebidas produzidas por fermentação têm uma concentração de álcool que não ultrapassa 14%. Na produção de álcoois por destilação, ferve-se uma mistura fermentada e o etanol que se evapora é recolhido como um condensado quase puro. Além do seu uso para consumo humano, o etanol é também usado como combustível, como solvente e na manufatura química (ª»¶¿ álcool impróprio para o consumo humano).

O álcool absoluto (etanol anidro) é o etanol contendo não mais do que 1% de água por massa. Nas estatísticas sobre
produção ou consumo de álcool, o álcool absoluto refere-se ao conteúdo de álcool (como 100% de etanol) das bebidas alcoólicas.

Do ponto de vista químico, o metanol (CH3 OH), também conhecido como álcool metílico e álcool de madeira (ou de
amido), é o mais simples dos álcoois. É usado como um solvente industrial e também como um adulterador para desnaturar o
etanol e torná-lo impróprio para o consumo (bebidas metiladas).

O metanol é altamente tóxico; dependendo da quantidade consumida, pode produzir turvação da visão, cegueira, coma e morte. Outros álcoois impróprios para o consumo, com efeitos potencialmente nocivos, são consumidos ocasionalmente, como, p.ex., o isopropanol (álcool isopropílico, frequente em desinfetantes) e etilenoglicol (usado como anticongelante em automóveis). O álcool é um sedativo/hipnótico com efeitos semelhantes aos dos barbitúricos. Além dos efeitos sociais do uso, a intoxicação pelo álcool pode resultar em envenenamento e até morte; o uso excessivo e prolongado pode resultar em dependência ou numa ampla variedade de transtornos mentais orgânicos e físicos.

Os transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de álcool (F10) são classificados como  transtornos decorrentes do uso de substância psicoativa na CID-10 (F10-F19).

Veja também cardiopatia alcoólica; cirrose alcoólica; dano cerebral associado ao álcool; ¼»´·®·«³å encefalopatia de Wernicke;
escorbuto; fígado gorduroso alcoólico; gastrite alcoólica; hepatite alcoólica; miopatia relacionada com álcool ou drogas; neuropatia periférica; pancreatite alcoólica; pelagra; pseudo-síndrome de Cushing; síndrome amnésica induzida por álcool ou droga; síndrome de deficiência de tiamina; síndrome fetal alcoólica.

« Voltar ao Índice do Glossário