« Voltar ao Índice do Glossário

Abstinência Protraída É a ocorrência de sintomas da síndrome de abstinência, geralmente leves, mas desconfortáveis, por várias semanas ou meses após a síndrome de abstinência física aguda ter passado. Esta é uma condição encontrada em dependentes do álcool, dependentes de sedativos, e dependentes de opióides.

abstinência protraída

abstinência protraída

Muitas vezes, as medicações benzodiazepínicas são mantidas por períodos longos de tempo (superior a 06 meses), e a retirada deverá, então, ser feita de forma lenta ou gradual. Alguns pacientes usuários crônicos dessas substâncias vão demonstrar os ditos sintomas da síndrome de abstinência “aguda” ou mesmo da síndrome de abstinênciaabstinência  crônica ou abstinência  protraída.”

A ocorrência de sintomas da síndrome de abstinência, geralmente leves, mas desconfortáveis, por várias semanas ou meses após a síndrome de abstinência física aguda ter passado. Essa é uma condição mal definida e descrita em dependentes
do álcool, dependentes de sedativos, e dependentes de opióides. Os sintomas psíquicos, como ansiedade, agitação, irritabilidade e depressão, são mais proeminentes que os sintomas físicos. Os sintomas podem ser precipitados ou exacerbados pela visão do álcool ou da droga de dependência, ou pelo retorno ao ambiente previamente associado ao uso de álcool ou de outra droga.

Sintomas da síndrome de abstinência crônica ou abstinência protraída aos  benzodiazepínicos

•    Sintomas ansiosos;
•    Sintomas depressivos;
•    Zumbidos;
•    Tontura;
•    Tremores em membros superiores;
•    Aumento dos reflexos motores;
•    Sensação de formigamento (parestesia) em membros superiores e inferiores;
•    Aumento da tensão muscular;
•    Intestino irritável;
•    Movimentos musculares involuntários

Obviamente, tais sintomas são flutuantes, ou seja, eles desaparecem e reaparecem ao longo do dia ou das semanas após a parada do uso da medicação. Também aqui é importante repisar que as características desta flutuação dos sintomas da síndrome de abstinência variam para cada ex-usuário das medicações benzodiazepínicas, dependendo do tipo de medicação usada, das características farmacológicas da medicação utilizada, dos aspectos da personalidade do usuário, da doença prévia que demandou o uso da medicação, dentre muitos outros fatores.

Outrossim, é possível que o indivíduo que tenha cessado o uso das medicações benzodiazepínicas possa estar sentindo os sintomas que antecederam e demandaram o início do uso deste tipo de medicação. Também, tanto os sintomas da doença primária (a qual demandou o uso deste tipo de medicação) quanto os da síndrome de abstinência às medicações benzodiazepínicas podem ocorrer simultaneamente!

Infelizmente, alguns pacientes que desenvolveram a dependência fisiológica dos benzodiazepínicos poderão manifestar sintomas da síndrome de abstinência durante vários meses após a parada do uso da medicação (trata-se da chamada síndrome de abstinência crônica ou abstinência  protraída). Isso ocorre porque tais medicações parecem alterar funcionalmente e, infelizmente, estruturalmente determinados grupos de células neuronais (conhecidas como gabaérgicas).

Os seus sintomas e o seu quadro clínico precisam ser adequadamente avaliados por um médico especialista ao vivo e à cores. Existem medicações que auxiliam no tratamento da síndrome de abstinência às medicações benzodiazepínicas. Por outro lado, o seu médico deverá investigar a razão do início do uso destas medicações e, assim, elucidar o seu quadro clínico. Uma vez o seu quadro clínico é aclarado, um tratamento médico eficaz poderá ser iniciado.

 

 

« Voltar ao Índice do Glossário