O consumo de substâncias que causem dependência química pode impactar a vida do indivíduo não só fisicamente, mas psicologicamente e socialmente.

Suas relações familiares, amorosas e profissionais, seu humor, sua rotina, seu compromisso com qualquer atividade, seja ela (diretamente) relacionada ao consumo da substância ou não também é prejudicado.

A depender do nível dessa dependência, o que o usuário faz é em função da droga ou relacionado a ela, e tudo o mais ele tenderá a negligenciar ou abandonar.

O prazer: consequência do uso

Listaremos aqui as consequências mais comuns da dependência química, mas antes de abordar propriamente este tema, é importante falar sobre uma consequência do uso.

Antes de tudo, é o prazer. Afinal, não foi pelos seus malefícios que as drogas seduziram suas tantas vítimas. É por buscar o prazer que o indivíduo é levado até a substância, mesmo que, antes disso, muitas vezes, seja pela existência de uma dor, angústia e vontade de fugir dessa condição, buscando uma solução mágica.

E é por isso que é importante reconhecer e reiterar essa consequência primeira do uso das drogas, pois quanto mais as demonizamos incondicionalmente, mais o curioso vai querer experimentá-la. E quando o fizer, percebendo que é gostosa a sensação, vai achar que quem a depreciou não sabia do que falava.

Consequências da dependência química

E, se com o uso, vem o prazer, com o prazer vem a repetição do uso, e com ela, a dependência. Segundo a Classificação Internacional de Doenças atual (CID-10), essas são as consequências básicas que caracterizam o estado de dependência:

  • ‘Tolerância’: a diminuição (ou perda) da sensibilidade aos efeitos da substância, resultando na necessidade do aumento da dose para provocar os mesmos resultados.
  • Senso de compulsão: Forte desejo de ingestão da substância.
  • Abstinência: Mal-estar provocado pela interrupção ou diminuição do consumo da substância, que pode ser aliviado (ou evitado) com o uso da substância ou de outra relacionada.
  • Desejo de diminuição ou interrupção do consumo, frustrado pela incapacidade de autocontrole.
  • Abandono de outras atividades que deem prazer ou causem satisfação, por dedicar seu tempo à busca e ao consumo da substância.
  • Persistência no uso: mesmo após manifestações nocivas e patológicas, danos físicos e psicológicos.

Podemos mencionar ainda:

  • Ineficiência com tarefas e responsabilidades.
  • Descontrole emocional e sentimental.
  • Agressividade.
  • Má disposição.
  • Ansiedade.
  • Rejeição social.
  • Depressão.
  • Culpa.
  • Confusão mental.
  • Alucinações.
  • Convulsões.
  • Delírios paranoias.
  • Problemas motores, respiratórios, renais, cardíacos e vasculares.
  • Morte.

Para tratamento das consequências da dependência química, a clinica de recuperação dispõe de profissionais capacitados aptos a auxiliar o paciente em seu tratamento para reconquistar sua qualidade de vida. Venha nos conhecer!